Olá, olá, meus queridos heróis!

 

Cá estou eu de novo, em pulgas para vos desvendar o próximo herói do mês. Sabem o quanto me entusiasma o dia 15 de todos os meses!

 

Dizem que fevereiro é o mês mais romântico do ano, e como fã de romance que sou, quis aproveitar esta oportunidade para vos apresentar alguém que me ajuda (a mim e a mais de uma dezena de milhar de pessoas) a gostar mais de mim e do que de mim sai. Decidi trazer-vos alguém que emana amor e luz – um superpoder da vida real de que não se fala tanto quanto se deveria.

 

Antes de vos revelar quem vos trago hoje, permitam-me apenas que vos explique porque escolhi quem escolhi. De há uns meses a esta parte, sempre e quando me sinto entrar num ciclo de dúvida e ansiedade, dou por mim a procurar as palavras desta heroína (ficam assim a saber que é uma heroína). Disto ela não sabe, mas abrir o Instagram (coisa que me tem trazido, ultimamente, mais do que qualquer coisa, ódio a mim mesma e a tudo o que faço) e ler o que ela tem a dizer, tem ajudado e muito a manter-me sã – não faz isto parte da lista de tarefas de um herói?

 

Ser herói não depende das dificuldades que ultrapassamos (nem do grau das mesmas). Para mim (e para este projeto), a sua definição está assente no que somos e fazemos, e esta nova heroína do mês é alguém que me inspira genuína e verdadeiramente. É alguém com quem aprendo muito, que tem uma paciência de ouro e que não teme as mudanças que a vida traz. É uma heroína que enche a vida de cor – e acontece que é uma artista.

 

Apresento-vos a Laury, a nossa heroína fã da flora e das tintas, e mais recente adição à equipa Heróis sem capa. A Laury existe devido à inigualável Laura Thiawe Morais, artivista, mãe de 3, jardineira de bolbos ilustrados (como se identifica) e fonte de luz (como a identifico eu).

 

A Laura, como disse, é artista e cresceu em casa de artistas – escolheu a ilustração, o design e a fotografia. Renunciou tudo para começar de novo e encontrar o seu caminho – nunca desistindo dos sonhos que projetava. Dedica-se, de corpo e alma, ao que faz – desenvolve parcerias simbólicas, solidárias e impactantes. É corajosa – escolhe enfrentar o que a assusta de sorriso na cara, sempre carregado de esperança. Está em constante transformação – reconhece que cada dia é um dia e que os devemos viver a todos com honestidade e transparência (mesmo quando isso significa tristeza profunda). Nasceu na cidade mas escolhe viver no campo, ente o mar e a serra, a dois passos da sua tão adorada Natureza – Natureza esta que serve de mote para a criação da sua própria marca de conteúdos criativos: BOLBO (onde utiliza a ilustração para transmitir os seus valores e palavras de força). E foi a BOLBO que me apresentou o ser humano extraordinário que é a Laura.

 

Nenhum herói que vos trago é igual ao anterior, isso não existe. Como tal, esta nossa heroína é uma heroína como nenhuma outra, e tem um superpoder que é raro de se encontrar: a Laura põe-nos a pensar, seriamente, sobre quem somos, mas sem nunca limitar o espaço para que a resposta possa ser o que tiver de ser. A magia da criatividade está aí. Arte que é utilizada para nos ajudar a abandonar da toxicidade ansiosa que nos é imposta é, a meu ver, a chave para sermos pessoas mais livres, mais presentes, mais felizes e no geral melhores.

 

A Laura marca. Marca pela sua doçura, pela sua disponibilidade e pela sua criatividade, que espelha a sua essência na perfeição. Marca porque é um raio de luz. Vive uma vida de coragem (ou de pequenas e diárias coragens), uma vida humana, e marca. Faz-nos acreditar que temos, em nós, o que precisamos para combater o que quer que seja que precisamos de combater. Acredita que todos somos artistas – mas não como os artistas que estamos habituados a ver, diferentes. Porque a arte não se cinge a um corredor, multiplica-se pelas manifestações criativas de cada um (sejam elas quais forem). Agora substituam “todos somos artistas” e “artistas” por “todos somos heróis” e “heróis”, e “Porque a arte” por “Porque ser herói”. Agora leiam as frases de novo: compreenderão porque este projeto se alinha tanto com a mensagem de vida da Laura. Ela entrou no meu coração e cá ficou, e já era hora de abrir caminho para que a pudessem encontrar também.

 

Nada do que eu possa escrever trará o verdadeiro impacto das suas palavras, pelo que me despeço, nisto que é, mais do que uma homenagem, uma carta de amor à Laura (totalmente apropriado para o mês em que nos encontramos), com uma citação sua:

 

Não somos LUZ sozinhos, nunca. Não teria inspiração se não me inspirassem.

 

Espero que tenham gostado de conhecer a Laury e, claro está, a Laura. Quando vos digo que ela me inspira, não é brincadeira nem exagero. Procuro-a constantemente, seja diretamente, seja através do que escreve, e ela ajuda-me a encontrar-me (mesmo quando o caminho está bem nublado).

 

Até breve, heróis!

 
 
 

Podem encontrar a Laura aqui: https://www.instagram.com/_bolbo/

Post navigation